23/08/2014

00:40

Vinte para a uma da manhã. Em 6 horas, estarei acordando para dar aulas. Sim, agora sou professora (e descobri que gosto disso).

Eu queria poder dormir bem. Dormir tranquila, e até não mais sentir o meu corpo cansado e dolorido. Sim, porque minhas mãos e costas doem (e eu acabei de completar 19 anos), mas a minha mente está mais agitada e inquieta do que nunca.

Está corrido, bem corrido. O estágio e a faculdade consomem boa parte da minha energia e do meu dia. Seria bom ter um intervalo entre uma obrigação e outra. De qualquer forma, estou prosseguindo...

Fácil? Como toda construção de um sonho, não é nem um pouco.

Mas, como me disse hoje Guimarães Rosa na aula de Teoria de Literatura,

"Todo abismo é navegável a barquinhos de papel."

01/07/2014

E então, Julho!


Eu deveria pretendia fazer outro resumo bimestral por aqui, porém a grande verdade é que não tenho muito o que contar - e nem tirei uma foto legal para abrir o post. Mas Julho é o meu mês favorito do ano, antigamente por ser uma agradável combinação de inverno + férias + meu aniversário, e hoje só pelo primeiro item mesmo (algumas paixões da infância nunca nos deixam).

De qualquer forma, fico feliz em dizer que a minha vida está com boas transformações ultimamente, e estou prestes a começar uma fase nova. Quem me conhece sabe que eu gosto de bons "inícios", então esperemos pelo melhor ♥ 

Quis começar também uma nova fase por aqui, e para isso nada melhor do que um novo layout, certo? Desta vez, com as cores originais (alguém conheceu a primeira versão do blog?). 

Desejo, então, um maravilhoso mês para todos nós!
Obrigada aos que continuam por aqui, comentem aí embaixo e falem comigo lá no @ledisperser ;)

14/05/2014

Algo maior


(Ative as legendas em português!)

"Você não poderia olhar por ali e descobrir que todo o nosso universo é apenas parte de um átomo numa camada de relva? Não poderia ser levado a pensar que, ao queimar um graveto, você está incinerando uma eternidade de eternidades? Que a existência não avança para um infinito, mas para uma infinidade deles?
Trecho de O Pistoleiro (série A Torre Negra) - Stephen King

01/05/2014

Escolhas

"Você pode curtir ser quem você é, do jeito que você for, ou viver infeliz por não ser quem você gostaria. Você pode assumir sua individualidade, ou reprimir seus talentos e sonhos, tentando ser o que os outros gostariam que você fosse.

Você pode produzir-se e ir se divertir, brincar, cantar e dançar, ou dizer em tom amargo que já passou da idade ou que essas coisas são fúteis, não sérias e bem situadas como você.Você pode olhar com ternura e respeito para si próprio e para as outras pessoas, ou com aquele olhar de censura, que poda, pune, fere e mata, sem nenhuma consideração para com os desejos, limites e dificuldades de cada um, inclusive os seus.

Você pode amar e deixar-se amar de maneira incondicional, ou ficar se lamentando pela falta de gente à sua volta. Você pode ouvir o seu coração e viver apaixonadamente ou agir de acordo com o figurino da cabeça, tentando analisar e explicar a vida antes de vivê-la.

Você pode deixá-la como está para ver como é que fica ou com paciência e trabalho conseguir realizar as mudanças necessárias na sua vida e no mundo à sua volta. Você pode deixar que o medo de perder paralise seus planos ou partir para a ação com o pouco que tem e muita vontade de ganhar. Você pode amaldiçoar sua sorte, ou encarar a situação como uma grande oportunidade de crescimento que a vida lhe oferece.

Você pode mentir para si mesmo, achando desculpas e culpados para todas as suas insatisfações, ou encarar a verdade de que, no fim das contas, sempre você é quem decide o tipo de vida que quer levar. Você pode escolher o seu destino e, através de ações concretas, caminhar firme em direção a ele, com marchas e contramarchas, avanços e retrocessos, ou continuar acreditando que ele já estava escrito nas estrelas e nada mais lhe resta a fazer senão sofrer.

Você pode viver o presente que a vida lhe dá, ou ficar preso a um passado que já acabou – e portanto não há mais nada a fazer – ou a um futuro que ainda não veio – e que portanto não lhe permite fazer nada.

Você pode ficar numa boa, desfrutando o máximo de coisas que você é e possui, ou se acabar de tanta ansiedade e desgosto por não ser ou não possuir tudo o que você gostaria. Você pode engajar-se no mundo, melhorando a si próprio e, por conseqüência, melhorando tudo que está à sua volta, ou esperar que o mundo melhore para que então você possa melhorar.

Você pode continuar escravo da preguiça, ou comprometer-se com você mesmo e tomar atitudes necessárias para concretizar o seu plano de vida. Você pode aprender o que ainda não sabe, ou fingir que já sabe tudo e não precisa aprender nada mais.

Você pode ser feliz com a vida como ela é, ou passar todo o seu tempo se lamentando pelo que ela não é. A escolha é sua.”

Autor desconhecido